Anticoncepcionais em Situações Especiais

A prescrição de anticoncepcionais deve ser individualizada para cada mulher, tendo em vista suas características de vida e suas necessidades próprias. Quando há situações clínicas que podem ser agravadas pelo uso de contraceptivos, esta avaliação deve ser ainda mais detalhada.

Screen Shot 06-09-16 at 10.28 AM

Mulheres com Lupus Eritematoso Sistêmico

A presença de auto-anticorpos nas mulheres lúpicas aumenta o risco de tromboembolismo venoso, acidente vascular encefálico e doença cardiovascular.  Desta forma, estas não devem utilizar métodos que contenham estrógenos na sua composição. Até o momento não há pesquisas que contraindiquem o uso de progesterona isolada como contracepção. Os Dispositivo intrauterino, com e sem medicamento, permanecem como uma boa opção.

É importante orientar as mulheres lúpicas da importância de um planejamento familiar correto. Esta doença pode descompensar de forma grave, com ameaça à vida, na vigência de uma gestação. Métodos comportamentais e de barreira não são indicados pela alta taxa de falha.

O uso de medicamentos imunossupressores não é contraindicação à contracepção.

Mulheres com Artrite Reumatoide

Quanto à doença em si, não há contraindicações. O cuidado deve ser tomado naquelas que usam corticoide por um longo período. Estas devem evitar os injetáveis trimestrais pelo risco de desmineralização óssea e aumento do risco de fraturas.

Mulheres com Trombofilia

As trombofilias são alterações sanguíneas que facilitam a ocorrência de tromboses. Estão presentes em 0,5% das mulheres. Por serem relativamente raras, sua pesquisa antes de iniciar um anticoncepcional não está indicada, exceto em história prévia de tromboses e história familiar de trombofilias. 

O diagnóstico de uma trombofilia contraindica o uso de métodos hormonais. Acredita-se que estes sejam capazes de aumentar o risco de eventos trombóticos em 2 a 20 vezes. Desta forma, estas mulheres devem utilizar métodos de barreira ou DIU.

Nas mulheres com Trombose venosa profunda, deve-se evitar o uso de qualquer hormônio na fase aguda, quando ainda estiver em tratamento. A colocação de DIU também deve ser adiada, tendo em vista o risco maior de sangramento pelo uso de anticoagulantes.

Screen Shot 06-09-16 at 10.34 AM

Mulheres com Risco de Doença Cardiovascular

A presença de múltiplos fatores de doença cardiovascular contraindica o uso de métodos hormonais, pelo maior risco de eventos adversos.

Nas mulheres com hipertensão arterial sistêmica controlada, permite-se o uso de métodos de progesterona isolada, métodos de barreira e DIU. Caso a hipertensão esteja descompensada, orienta-se não iniciar qualquer método hormonal até que haja controle.

Portadoras de doença cardíaca valvar não devem utilizar métodos contraceptivos com hormônio. Para estas, estão liberados DIU de cobre e métodos de barreira. Lembrar de realizar profilaxia de endocardite bacteriana na inserção do DIU.

Mulheres com Dislipidemia

A presença de dislipidemias(alterações na concentração de colesterol e triglicerídeos) por si só não contraindicam os métodos hormonais. O cuidado deve ser a busca de outros fatores de risco cardiovascular que podem se somar a estes e constituir risco durante o uso dos contraceptivos.

Mulheres com Obesidade

Mulheres com Índice de Massa Corpórea acima de 30kg/m² possuem maior risco de doença cardiovascular com o uso de estrógenos. Além disso, o uso de pílulas com baixa quantidade hormonal pode não ser efetiva, devido à maior presença de estrógenos circulantes, produzidos por enzimas no tecido gorduroso.

Então os métodos com progesterona de maior dose como os injetáveis trimestrais são uma boa opção nestas pacientes. O ganho de peso com este método é maior em adolescentes e varia entre 3 e 5kg.

Mulheres que realizaram Cirurgia Bariátrica

As cirurgias restritivas diminuem a área de absorção gástrica e podem prejudicar a eficácia dos contraceptivos orais. Evitar estes métodos nestas pacientes.

Screen Shot 03-09-16 at 08.25 PM

Mulheres Diabéticas

Em mulheres que já possuam alterações vasculares em decorrência do diabetes, o uso de estrógenos pode acelerar este processo, portanto este é contraindicado. Naquelas com DM 1 sem complicações vasculares, o uso de métodos combinados com estrógeno e progesterona não demonstrou piorar o controle glicêmico de forma importante, nem acelerar o desenvolvimento de doença vascular.

Também podem ser utilizados métodos de barreira e DIU. Orientar as mulheres diabéticas que o melhor momento para engravidar é com a doença sob controle.

Mulheres com Cefaleia e Enxaqueca

A cefaleia simples não contraindica o uso de qualquer método. Contudo, sabe-se que muitas mulheres referem aumento da incidência de dor de cabeça após o início do uso de anticoncepcionais. Desta forma, toda piora sintomática após o uso do método deve ser avaliada.

A presença de enxaqueca com aura contraindica métodos com estrógenos. Há aumento do risco de AVE em 3 a 5 vezes com o seu uso, além da piora importante das crises. 

Fontes:

URBANETZ, Almir A. Ginecologia e Obstetrícia para o Médico Residente. FEBRASGO. 2016.

Captura de Tela 2016-05-06 às 22.31.01

Liberei uma amostra do meu livro digital: “Tenho Síndrome dos Ovários Policísticos: E Agora?” Acesse o link abaixo e confira!
http://www.dremersonbatista.com/#!home/ipmp6

Screen Shot 03-27-16 at 08.29 PM

Caso você goste do conteúdo e queira saber como ter acesso ao conteúdo completo acesse:

http://www.dremersonbatista.com

CONHEÇA MEU PERFIL NO GOOGLE PLUS

https://plus.google.com/u/0/107467915066257179224/posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s