Quais os medicamentos e substâncias que causam malformações fetais?

Os danos reprodutivos cresceram junto com o aumento das medicações disponívieis para tratar as mais variadas doenças, tornando a gestação um momento de atenção especial em relação a que substâncias a mulher está exposta enquanto sua gravidez se desenvolve. Muitas gestantes ficam receosas de usar medicamentos pelo medo de que este venha a causar algum dano ao seu feto. pregnancy-and-medication-300x236 Mas o que vêm a ser os teratógenos?

  • “Teratógeno é qualquer substância, organismo, agente físico ou estado de deficiência que, estando presente durante a vida embrionária ou fetal, produz uma alteração de estrutura ou função da descendência.” (Dicke, 1989).

A prescrição de medicamentos para gestantes ainda gera dúvidas, até mesmo em médicos, e é necessária avaliação e reconhecimento dos riscos que cada medicamento ou classe de medicamentos oferece em especial.

medicamentos na gestação, gravidez

Contudo, os estudos tem mostrado que a grande maioria dos danos fetais possuem origem multifatorial, sendo uma junção de fatores ambientais e próprios da própria mulher.

Com relação aos medicamentos, os fatores que determinam dano fetal são:

  • Estágio de desenvolvimento do concepto.
  • Relação entre dose e efeito.
  • Genótipo materno-fetal (sensibilidade da mãe e do feto para a medicação).
  • Mecanismo patogênico de cada agente.

Quais os medicamentos capazes de causar alterações no desenvolvimento fetal?

São reconhecidas cerca de 30 teratógenos com ação confirmada. Alguns ainda permanecem com efeitos controversos, sendo de bom senso evitar o seu uso durante a gestação. Importante lembrar que as pesquisas neste campo são escassas por motivos óbvios, com a impossibilidade de expor a gestante a um risco e avaliar o desfecho.

A maioria do conhecimento sobre teratógenos na atualidade é adquirido devido ao uso de medicações de forma crônica como anticonvulsivantes e psicotrópicos. Como a maioria das gestações não é planejada, a mulher engravida em uso dos medicamentos habituais e somente depois procura o pré-natal para questionar a necessidade de sua suspensão.

VEJA TAMBÉM – Exames utilizados na pesquisa de malformações fetais

medicamentos que podem ser usados na gravidez

São medicamentos conhecidamente associados a malformações fetais:

1. Talidomida:

A primeira droga com efeitos teratogênicos em grande quantidade e que causou uma verdadeira revolução na forma de avaliar a prescrição dos fármacos da gestação foi a Talidomida. Foi associado a defeito de formação dos membros em diversas crianças, sendo mais característica a focomelia(figura abaixo).

focomelia

Seu uso ainda é feito em pacientes com doenças imunológicas como a hanseníase e alguns tipos de câncer. Quando sua prescrição for necessária, a anticoncepção é obrigatória e rigorosa.


2.Álcool:

Tem efeitos comprovados sobre o desenvolvimento do sistema nervoso central além de alterações craniofaciais, constituintes da chamada síndrome do álcool fetal. Esta pode ocorrer de forma completa ou somente com alterações mais leves. Segundo Martinez-frias et al(2004), não existem níveis seguros de consumo de álcool na gestação.

O médico deve alertar a gestante sobre os riscos associados ao consumo de bebida alcoólica na gestação, tranquilizar aquelas que o fizeram um poucas ocasiões e de forma desavisada e realizar acompanhamento da gestação na busca de alterações fetais.

uso de álcool na gravidez 3. Antineoplásicos e quimioterápicos:

Os medicamentos usados no combate ao câncer causam danos fetais visto que seu mecanismo de ação envolve a redução da divisão celular como forma de reduzir o crescimento tumoral.

Quando usados principalmente no primeiro trimestre se associam a morte fetal e abortamento. Na presença de câncer durante a gravidez, a mulher deve ser acompanhada em conjunto por obstetra e oncologista, avaliando o custo-benefício de cada uma das medidas.

4. Anticonvulsivantes:

O sistema nervoso central pode ser alterado em uma em cada 10 pacientes que usa anticonvulsivantes. Apesar disso não devem ser suspensas, visto que em mais de 90% das gestantes não ocorre qualquer alteração fetal.

Também deve ser lembrado que a epilepsia é uma doença que pode trazer graves consequências na gestação, na vigência de convulsões que podem até mesmo causar abortamento e óbito fetal.

As medicações mais seguras são Carbamazepina e Lamotrigina. A preferência deve sempre ser dada para o tratamento com uma única droga(monoterapia).

5. Anticoagulantes:

São medicamentos de uso indispensável durante a gestação em gestantes que possuem doenças sanguíneas que favorecem o desenvolvimento de tromboses(trombofilias). 

A Varfarina é associada a malformações fetais, hemorragias e óbito. Esta deve ser substituída de forma imprescindível no 1º e 3º trimestres, por heparina. Entretanto a maioria dos obstetras prefere manter a gestante que necessita de anticoagulantes em uso somente de heparina durante toda a gestação.

Esta deve ser acompanhada de forma intensiva com ajustes de doses e avaliação da vitalidade fetal.

6. Antiinflamatórios não-hormonais:

Os AINES tem efeito de prolongar a gestação, sendo usados em alguns casos específicos como em gestação com polidramnio(excesso de líquido amniótico). O risco maior é de, no 3º trimestre, causar o fechamento do ducto arterioso e causar hipertensão pulmonar no recém-nascido.

Quando usado no 1º trimestre, tem risco de malformações cardíacas e gastrosquise(defeito de fechamento da parede abdominal fetal). Devem portanto ser evitados Ibuprofeno, Diclofenaco e Indometacina a gestação.

7. Inibidores da enzima conversora de angiotensina:

Os antihipertensivos como Captopril e Enalapril são causa frequente de óbito fetal em casos de mulheres que engravidam e mantém seu uso de forma desavisada. Oferecem risco durante todos os trimestres da gestação, e devem ser prontamente substituídos.

No desenvolvimento de hipertensão durante a gestação o medicamento de escolha é a Metildopa. Em caso de crise hipertensiva é usada a Hidralazina.

8. Carbonato de lítio:

Tem efeitos documentados em relação a malformações cardíacas e Síndrome de Ebstein. É usado como estabilizador de humor em doenças como o Transtorno Afetivo Bipolar.

Pelo maior risco de descompensação causado por alteração do metabolismo da gestação, o uso deve ser mantido com avaliação do nível sérico da droga. Além disso a gestante deve realizar o ecocardiograma fetal para rastreamento de malformações. transtorno afetivo bipolar na gravidez 9. Cocaína:

Causa alteração do fluxo placentário com risco de Restrição de Crescimento Fetal, descolamentos placentários e óbito fetal. A conduta deve ser de buscar eliminar o uso, com encaminhamento para ajuda especializada.

10. Inibidores da Recaptação Seletiva de Serotonina:

A Paroxetina pode causar alterações relacionadas ao sistema nervoso central. O uso deve ser avaliado em relação ao grau de acometimento da mulher e o risco de descompensações com a ausência do uso. Geralmente os demais, à exceção da paroxetina, são mantidos pelo maior risco de descompensação clínica materna, que traria muito mais prejuízos para a gestação.

11. Misoprostol:

Usados como indutores de aborto, causam a Síndrome de Moebius na permanência da gestação. Esta síndrome causa paralisia dos nervos faciais e redução ou ausência de expressão facial e estrabismo convergente. A paciente que tentou abortar deve ser acompanhada, livre de julgamento de culpa, e as malformações fetais devem ser buscadas.

12. Retinóides derivados da vitamina A:

A Isotretinoína, bastante popular entre os dermatologistas para tratamento de acne, tem efeitos muito potentes nas alterações fetais, principalmente renais e cardíacas. Quando seu uso for realizado, a contracepção deve ser rigorosa e a mulher orientada quanto aos riscos em uma possível gestação.

13. Tionamidas(antitireoidianos):

O hipertireoidismo é associado a malformações fetais, abortamentos e óbito fetal e deve ser bem conduzido durante a gravidez. O Metimazol não deve ser usado na gestação por causa de efeitos potencialmente danosos ao feto. A droga de escolha é o Propiltiouracil, na menor dose efetiva possível.  medicamentos que causam malformações fetais

Fontes:

FREITAS, F. et al. Rotinas em Obstetrícia. 6ª Edição. ed. Porto Alegre: Artmed, v. Único, 2010.

Você tem Síndrome dos Ovários Policísticos? Tem problemas com ciclo menstrual? Dificuldades para engravidar? Acesse este link e conheça meu livro:

http://www.dremersonbatista.com

Captura de Tela 2016-05-06 às 22.31.01

Liberei uma amostra do meu livro digital: “Tenho Síndrome dos Ovários Policísticos: E Agora?” Acesse o link abaixo e confira!
http://www.dremersonbatista.com/#!home/ipmp6

Screen Shot 03-27-16 at 08.29 PM

Caso você goste do conteúdo e queira saber como ter acesso ao conteúdo completo acesse:

http://www.dremersonbatista.com

CONHEÇA MEU PERFIL NO GOOGLE PLUS

https://plus.google.com/u/0/107467915066257179224/posts

t

3 comentários sobre “Quais os medicamentos e substâncias que causam malformações fetais?

  1. GRAÇAS ADEUS TIVE DOIS PARTOS NORMAIS UM FEMININO E O OUTRO MASCULINO SEM PROBLEMAS
    DEPOIS DA GRAVIDES É QUE A PRESSÃO VOLTOU HOJE TENHO 75 ANOS TOMO INALAPRIL E EUTIROX E ESTA TUDO BEM COMIGO

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s