Bacteriúria Assintomática: Por que tratar?

A bacteriúria assintomática oferece risco à gestante pela possibilidade de evoluir para infecção do trato urinário. Esta tem maior gravidade durante o período gestacional e está associada a complicações para a mãe e o bebê.

obstetrics-1_w750

O que é bacteriúria assintomática?

É uma situação na qual há microorganismos causadores de infecção no trato urinário, mas ainda não desenvolveram sintomas, ou seja, não produziram a infecção urinária propriamente dita. Quando ocorre há grande chance de desenvolvimento e com isso, a gestante fica exposta às complicações possíveis. 

A pesquisa e o tratamento desta condição clínica ocorrem em situações especiais como na gestação, quando a infecção urinária pode ter sérias consequências.

Porque a infecção urinária é tão comum na gestação?

  • A gravidez causa aumento do fluxo urinário por aumento do volume sanguíneo total.
  • Ocorre maior perda de glicose na urina, com mais nutrientes para o desenvolvimento de bactérias.
  • A progesterona causa relaxamento da musculatura lisa com menor esvaziamento da bexiga.
  • A progesterona aumenta o refluxo urinário da bexiga aos rins, com carreamento ascendente de bactérias.

Como é feito o diagnóstico?

É indicada a urocultura para todas as gestantes no primeiro trimestre. Faz parte da rotina do pré-natal. A coleta do jato médio da urina que tenha uma quantidade maior que 100.000 bactérias por ml, de um único microorganismo, na ausência de sintomas, define Bacteriúria Assintomática.

Se não tem sintomas, por que tratar a bacteriúria?

Quando não tratadas, 40% das gestantes com bacteriúria assintomática evoluem para infecção do trato urinário baixo(cistite). Destas, 30% desenvolvem a forma mais grave da infecção, chamada pielonefrite, quando atinge o tecido renal e oferece maior risco para a gestação e o bebê.

Geralmente as gestantes com pielonefrite desenvolvem dor ao urinar, febre, calafrios, dor lombar, vômitos e fraqueza. Via de regra, há necessidade de internamento e uso de medicamentos por via endovenosa por alguns dias.

Na pielonefrite, também é necessário avaliar a vitalidade fetal para que possíveis complicações possam ser rapidamente reconhecidas.

A infecção urinária é a infecção clínica mais comum da gestação e está associada a:

ScreenShot021

Fontes:

DARZE, Omar I; BARROSO, Ubirajara; LORDELO, Maurício. Preditores clínicos de bacteriúria assintomática na gestação. Revista Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. Ago 2011.

Captura de Tela 2016-05-06 às 22.31.01

Liberei uma amostra do meu livro digital: “Tenho Síndrome dos Ovários Policísticos: E Agora?” Acesse o link abaixo e confira!
http://www.dremersonbatista.com/#!home/ipmp6

Screen Shot 03-27-16 at 08.29 PM

Caso você goste do conteúdo e queira saber como ter acesso ao conteúdo completo acesse:

http://www.dremersonbatista.com

CONHEÇA MEU PERFIL NO GOOGLE PLUS

https://plus.google.com/u/0/107467915066257179224/posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s