Polidrâmnio: Excesso de Líquido Amniótico

O líquido amniótico pode aumentar de maneira excessiva tanto por aumento da produção como por redução da sua absorção e eliminação. São associados a distúrbios específicos da gestação, como a Rotura Prematura de Membranas Amnióticas e necessitam de avaliação detalhada par programar melhor assistência ao parto. 

a0ddct

O que é Polidrâmnio?

Aumento excessivo da quantidade de líquido amniótico ou defeito nos mecanismos de reabsorção e eliminação. Geralmente há mais de 2.000ml de líquido nestas situações. Ocorre em 1,5 a 4% das gestações.

Quais são as causas de polidrâmnio?

  • Diabetes Gestacional causa aumento da quantidade de urina fetal devido à hiperglicemia.
  • Insuficiência Renal Aguda e Insuficiência Cardíaca Congestiva – de congestão volêmica maternas como causa de aumento do volume de LA.
  • Malformações fetais como anencefalia prejudica os mecanismos de reabsorção do líquido amniótico como a deglutição.
  • Gestações gemelares – pela presença de dois fetos na cavidade e maior produção de urina.
  • Em 1/3 dos casos não se encontra causa definida, mesmo após exaustiva investigação.
  • ScreenShot012

Quais os problemas em maior quantidade de líquido amniótico?

Distensão uterina maior causa perda de efetividade das contrações, podendo ocorrer parto prolongado. Esta distensão favorece o aumento de pressão dentro da bolsa amniótica e a Rotura Prematura de Membranas é comum. O retorno uterino ao seu tamanho normal prejudica a contenção do sangramento obstétrico e aumenta o risco de hemorragias pós-parto.

ScreenShot013

Durante a rotura pode ocorrer passagem do cordão umbilical à frente da apresentação fetal e compressão deste com sofrimento fetal agudo. O chamado prolapso de cordão é uma situação emergencial que necessita de cesárea.

Quando ocorre a rotura prematura de membranas pode ocorrer expulsão rápida do feto, o chamado “parto em avalanche”. Há risco de descolamento de placenta e hemorragias maternas.

Há necessidade de drenagem do líquido?

Raramente. A indicação será o desconforto respiratório materno intenso. Pode ser feita por via transcervical e possui risco de provocar Rotura de membranas e infecção do LA além de predispor a parto prematuro. 

Há algum tratamento clínico?

Sim. A indometacina, um anti-inflamatório pode ser usado em casos selecionados como forma de reduzir a quantidade de líquido amniótico. Atua diretamente nos rins e pulmões fetais e oferece risco de fechamento precoce do ducto arterioso, podendo levar a sofrimento fetal. Portanto, não é consenso o seu uso.

ScreenShot152

Fontes:

MONTENEGRO, C.A.B; REZENDE FILHO, J. Rezende: obstetrícia fundamental. 12.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

ZUGAIB. Zugaib Obstetrícia.

Captura de Tela 2016-05-06 às 22.31.01

Liberei uma amostra do meu livro digital: “Tenho Síndrome dos Ovários Policísticos: E Agora?” Acesse o link abaixo e confira!
http://www.dremersonbatista.com/#!home/ipmp6

Screen Shot 03-27-16 at 08.29 PM

Caso você goste do conteúdo e queira saber como ter acesso ao conteúdo completo acesse:

http://www.dremersonbatista.com

CONHEÇA MEU PERFIL NO GOOGLE PLUS

https://plus.google.com/u/0/107467915066257179224/posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s