Colpocitologia Oncótica: Exame de Prevenção Ginecológica

Diagnóstico precoce do câncer de colo uterino, fundamental para a cura, é feito através deste exame simples, de baixo custo e capacidade de atingir grande parte da população. Deve ser realizado em todas as mulheres que já tiveram relação sexuais, em intervalos periódicos.

Gynaecology_stage_001_V1_20120213_980x300

De onde surgiu este exame?

A colpocitologia oncótica, ou exame de prevenção ginecológica, foi idealizado pelo médico russo George Papanicolau em 1928. Este foi quem primeiro conseguiu visualizar células coletadas do colo uterino em uma lâmina através da técnica de citologia esfoliativa.

Tornou-se popular devido à sua baixa complexidade, baixo custo, possibilidade de diagnóstico de alterações celulares pré-neoplásicas e capacidade de aplicação a uma grande quantidade de pacientes.

Importância:

Quando realizado a intervalos corretos é capaz de diagnosticar praticamente 100% dos cânceres do colo uterino. Desta forma a taxa de cura é também próxima à total, com as ferramentas terapêuticas existentes na atualidade.

Orientações sobre a realização do exame

Segundo o Ministério da Saúde do Brasil as indicações são:

  • Exame anual após início da atividade sexual;
  • Após 2 exames normais consecutivos o exame pode ser realizado a cada 3 anos;
  • Na ocorrência de coleta insatisfatória o exame deve ser repetido;
  • A presença de HPV indica repetição do exame em 6 meses;
  • O exame deve ser realizado de preferência no período ovulatório;
  • Não pode ser feito durante o período menstrual;
  • Além disso a paciente deve manter abstinência sexual de 72 horas, antes do exame.
  • Pode ocorrer leve incômodo durante o posicionamento do espéculo. As demais etapas do exame são indolores.

Objetivo do exame:

A abrangência a nível populacional tem o poder de aumentar o diagnóstico precoce do câncer de colo uterino, ainda na fase curativa. Vale lembrar que este câncer demora cerca de 8 a 10 anos para se desenvolver, facilitando o diagnóstico em exames periódicos.

Os achados do exame servirão para que o médico assistente encaminhe a paciente para serviço especializado, se necessário.

ScreenShot004Fontes:

Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto Nacional de Câncer. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica. – Rio de Janeiro: INCA, 2011.

Captura de Tela 2016-05-06 às 22.31.01

Liberei uma amostra do meu livro digital: “Tenho Síndrome dos Ovários Policísticos: E Agora?” Acesse o link abaixo e confira!
http://www.dremersonbatista.com/#!home/ipmp6

Screen Shot 03-27-16 at 08.29 PM

Caso você goste do conteúdo e queira saber como ter acesso ao conteúdo completo acesse:

http://www.dremersonbatista.com

CONHEÇA MEU PERFIL NO GOOGLE PLUS

https://plus.google.com/u/0/107467915066257179224/posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s