Melasma Gravídico: Manchas no rosto causadas pela gestação

A gestação e suas alterações fisiológicas causam aumento de proteínas e hormônios que podem causar ou aumentar doenças e pele. A hiperpigmentação é uma das preocupações das gestantes, pela sua alta prevalência e dificuldade de resolução. Entretanto há formas de se prevenir e mesmo tratar o melasma gravídico, até durante o período gestacional.

ScreenShot029

Como evitar a pigmentação do rosto das gestantes?

A melhor forma de lidar com o melasma gravídico é evitar o seu aparecimento, através da proteção em relação aos raios solares, com uso de chapéus e guarda-sóis, principalmente entre 10 e 16 horas.

O uso de protetores solares também é bastante importante. Os protetores são absorvidos somente em camadas superficiais da pele e não apresentam efeitos sobre o desenvolvimento fetal. Devem ser usados com fator entre 15 e 30, sem a necessidade de usar acima destes, pelo aumento da concentração de substâncias tóxicas, sem aumento concomitante da proteção. A aplicação deve ser feita 30 minutos antes da exposição solar.

Após a pigmentação cutânea, podem ser usados medicamentos despigmentadores. Alguns medicamentos, como os derivados dos retinoides, devem ser evitados pelos riscos teóricos de malformações fetais.

A maioria dos tratamentos é iniciada após o 1º trimestre, quando já houve tempo de a pele ser pigmentada. Com isso o período de maior vulnerabilidade fetal aos teratógenos já foi ultrapassado. Os medicamentos usados são:

Hidroquinona – reduz a produção de melanina, com redução da pigmentação da pele. Disponível nas concentrações de 2 a 5%, sendo que, quanto maior a concentração, maior o risco de despigmentação excessiva da pele.

Ácido Azelaico – reduz a produção de queratina, melanina e a oleosidade cutânea. Tem boa utilização inclusive durante a lactação, sendo considerada mais segura que a Hidroquinona.

Os demais tratamentos como peeling e aplicações de laser devem ser realizados somente após o parto.

ScreenShot077

Fontes:

Figueiró, Tamara L; Figueiró-filho, Ernesto A; Coelho, Lílian R. Pele e gestação: aspectos atuais dos tratamentos e drogas comumente utilizados – Parte I. FEMINA, Ago. 2008, vol 36, nº 8.

Captura de Tela 2016-05-06 às 22.31.01

Liberei uma amostra do meu livro digital: “Tenho Síndrome dos Ovários Policísticos: E Agora?” Acesse o link abaixo e confira!
http://www.dremersonbatista.com/#!home/ipmp6

Screen Shot 03-27-16 at 08.29 PM

Caso você goste do conteúdo e queira saber como ter acesso ao conteúdo completo acesse:

http://www.dremersonbatista.com

CONHEÇA MEU PERFIL NO GOOGLE PLUS

https://plus.google.com/u/0/107467915066257179224/posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s